segunda-feira, 21 de junho de 2021

Atemi waza – Keri waza 4 Ushiro dori kokyu nage


- Tori e uke encontram-se de pé. Ambos estão em ai hanmi. Ambos estão em migi hanmi.

- Uke aproxima-se de tori e agarra-o por detrás, envolvendo o seu corpo com ambos os braços.

- Logo que se sinta agarrado, tori, inspira, expandindo a sua caixa torácica, e arqueia os braços com um movimento amplos, rodando as mãos para dentro.

- Tori pisa o pé dianteiro do uke (direito), com o seu pé direito, usando o calcanhar [kakato].

- Tori levanta os ombros e os braços, de forma a que o agarro do uke suba.

- Antes que o uke possa agarrar o seu pescoço, tori  desliza para baixo e para a direita, colocando o seu joelho direito no chão, deixando o seu pé esquerdo em frente ao pé direito do uke.

- Ao baixar, tori agarra os braços do uke e, com um movimento em espiral para a direita e para baixo, corta o corpo do uke para baixo e para fora, projectando-o para o tatami.

- Repetir para o outro lado.


Dicionário:

Kakato: calcanhar; pisar com o calcanhar.


Dicas:

Não retirar o pé esquerdo da frente do uke, pois assim ele, além de ser projectado para fora, também irá tropeçar nele.

O kakato também pode ser usado em técnicas de maegeri.

 Kakato: calcanhar.

Tori: Tristão da Cunha, 8º Dan
Uke: Gil Vargas, 3º Dan
Filmagens: Rui Pessoa Pires
Fotografia: por Tristão da Cunha
Modelos: Mónica de Sousa, 6º Dan e Marko Tomatis, 4º Dan
Gil Vargas, 3º Dan


Não praticar sem a presença de um professor.
Todas as pessoas envolvidas nos nossos vídeos e livros técnicos, autorizaram por escrito a utilização das suas imagens

Atemi waza – Keri waza 3 Katate dori shiho nage omote

Mestre Mónica Sousa, 6º Dan e Marko Tomatis
Antigo Honbu dojo, na Lapa, Lisboa

- Tori e uke encontram-se de pé, em gyaku hanmi. Tori está em hidari hanmi e uke em migi hanmi.

- Uke aproxima-se e agarra o pulso direito de tori com a sua mão direita.

- Tori abre os dedos das mãos, desloca o seu pé esquerdo para a frente e para o lado esquerdo e coloca o seu direito frente ao esquerdo, assumindo migi hanmi.

- Ao mesmo tempo, tori aplica um atemi à cara do uke, com a sua mão direita.

- Tori agarra o pulso do uke, por debaixo, com a sua mão direita.

- Quando o agarro do uke é muito forte, podemos enfraquece-lo, logo a seguir ao atemi e ao agarro, aplicando um keri waza ao seu joelho usando ou maegeri ou yokogeri.

- Prosseguir a técnica com shiho nage omote, tal como foi explicado antes neste blogue.

Repetir para o lado contrário.

Dicionário:

Yokogeri: pontapé lateral. Com este pontapé, usamos o cutelo do pé, sokuto [soku: pé; tô: cutelo, lâmina], para bater.

Dicas:

Treinar os pontapés de forma a que parem antes de atingirem o parceiro. Durante os treinos, evitar sempre causar d
anos físicos ao parceiro.


Sokuto, o cutelo do pé, também pode ser usado para golpear o joelho do aité.





Tori: Tristão da Cunha, 8º Dan
Uke: Gil Vargas, 3º Dan
Filmagens: Rui Pessoa Pires
Fotografia: por Tristão da Cunha
Modelos: Mónica de Sousa, 6º Dan e Marko Tomatis, 4º Dan
Gil Vargas, 3º Dan


Não praticar sem a presença de um professor.
Todas as pessoas envolvidas nos nossos vídeos e livros técnicos, autorizaram por escrito a utilização das suas imagens

Atemi waza - Keri waza 2: Muna dori nikyo oyo waza

- Tori e uke encontram-se de pé, frente a frente, em ai hanmi. Ambos encontram-se em hidari hanmi.

- Uke aproxima-se de tori e agarra o seu peito, pelo keikogi, com a sua mão esquerda.

- Tori rapidamente agarra a mão esquerda do uke, por cima, com a sua mão esquerda e o pulso, por debaixo, com a sua mão direita.

- Tori aplica um maegeri à bexiga ou partes baixas , com o seu pé de trás, neste caso o esquerdo. Este ataque, tal como para o keri waza #1 (ikkyo omote) também pode ser feito com o dorso do pé [haisoku].

- Tori, já tendo agarrado firmemente a mão e o pulso do uke, torce ambos para a esquerda e depois de libertar um pouco o agarro do uke, torce a mão para a esquerda e o pulso para a direita.

- Tori força o pulso do uke a dobrar, dobrando também o seu cotovelo e, com a dor, obriga-o a ir para o chão.

- Tori completa a técnica com nikyo ura waza, já antes explicada neste blogue.

- Repetir para o outro lado.




Dicionário:
Haisoku: dorso do pé


Dicas:

Podemos aplicar maegeri com qualquer pé, mas com o pé de fora é mais fácil, pois o pé de dentro poderá bater na perna do uke.

Ter o cuidado de aprender a libertar a mão do uke do nosso keikogi pois, ao agarrar, os seus dedos ficam presos no enchumaço do agarro; seguir as indicações acima, para aplicar esta técnica.

O maegeri também pode ser aplicado de baixo para cima, batendo nas partes baixas do uke, usando o dorso do pé (haisoku). 
Haisoku, o dorso do pé.






Tori: Tristão da Cunha, 8º Dan
Uke: Gil Vargas, 3º Dan
Filmagens: Rui Pessoa Pires
Fotografia: por Tristão da Cunha
Modelos: Mónica de Sousa, 6º Dan e Marko Tomatis, 4º Dan



Não praticar sem a presença de um professor.
Todas as pessoas envolvidas nos nossos vídeos e livros técnicos, autorizaram por escrito a utilização das suas imagens


quinta-feira, 17 de junho de 2021

Atemi waza: Shomen uchi dai ikkyo omote - maegeri

 Estes quatro últimos artigos, debruçam-se sobre keri waza: técnicas de pontapés. Tenham cuidado para não se referirem a este conjunto de técnicas como ´geri waza´, pois significa técnicas de diarreia.

- Tori e uke encontram-se em ai hanmi. Ambos estão em hidari hanmi.

- A distância entre os dois é a distância de prática para técnicas tipo omote.

- Tori baixa as ancas e avança poderosamente na diagonal para a esquerda do uke, ao mesmo tempo que ataca a sua cara com o tegatana esquerdo.

- Tori agarra o cotovelo esquerdo do uke, por debaixo.

- Com este movimento, tori desequilibra o uke para trás.

- Assim que faz contacto com o braço do uke e o desequilibra, tori agarra firmemente o seu pulso esquerdo.

- Tori ´corta´ o braço do uke para baixo e para a esquerda, com um movimento em espiral..

- Tori levanta o seu joelho direito e aplica um mae geri à cara ou ao flanco do uke.


Para aplicar maegeri, treinar levantar e recolher os dedos do pé de forma a bater com a base dos dedos, principalmente a base do dedo grande.

- Assim que tori aplique o pontapé, deve entrar imediatamente entrar com o mesmo pé, por debaixo do corpo do uke, com vigor e também empurrar o seu braço para o lado e para baixo, “Como uma lança a perfurar o centro da terra.” [kuden]

- Tori acaba a técnica colocando o seu joelho direito no chão, ao mesmo tempo que o seu ombro bate contra o tatami. O controle final da técnica já foi explicado em artigos anteriores sobre o ikkyo. 







Dicionário:

Hojoundo: Hojo significa complementar(es); undo significa exercícios [exercícios complementares].
Maegeri: Mae significa frontal; geri vem de keri, pontapé [pontapé frontal].
Makiwara: Maki significa um rolo, uma coisa enrolada; wara significa palha [tradicionalmente, os murros e pontapés são condicionados batendo contra um objecto de palha].

Dicas:
Saito sensei disse: “Baixar as ancas é importante para TODAS as técnicas do aikido!” Se baixarmos as ancas no momento do ataque, poderemos agarrar bem o seu cotovelo por debaixo e assim desequilibrar o uke com mais facilidade.

Ao entrar com o pé esquerdo, Tori acompanha o movimento com o seu pé direito.

Ao cortar o braço do uke para baixo, tori ficará mais estável se corrigir o seu pé direito, deslocando-o um pouco para a direita, de forma a que possa ajustar as ancas, para ficarem paralelas à linha do braço do uke.

O pontapé só é possível se o parceiro estiver desequilibrado. Por esta razão é que se deve primeiro "cortar o braço do aité para baixo, com um movimento espiral."

É importante praticar hojoundo, de forma a condicionar tantos as mãos como os pés, para uma correcta aplicação do atemi. Neste caso, a prática de makiwara é importante.


A mestre Mónica Sousa a aplicar esta técnica.

Tori: Tristão da Cunha, 8º Dan
Uke: Gil Vargas, 3º Dan
Filmagens: Rui Pessoa Pires
Fotografia: por Tristão da Cunha
Modelos: Mónica de Sousa, 6º Dan e Marko Tomatis, 4º Dan
Gil Vargas, 3º Dan


Não praticar sem a presença de um professor.
Todas as pessoas envolvidas nos nossos vídeos e livros técnicos, autorizaram por escrito a utilização das suas imagens

segunda-feira, 24 de maio de 2021

Morihiro Saito Shihan

 Aqui está um vídeo do YouTube em homenagem a Morihiro Saito Shihan.  



Este trabalho foi apresentado pelo mestre Daniel Toutain. Verificar a excelente forma de ensinar de Sensei. Neste vídeo não se ouve a tradução, mas também não é necessária, pois a metodologia de Sensei é fantástica. 



terça-feira, 4 de maio de 2021

Tachi waza shomen uchi dai sankyo ura

 Quando se sabe fazer bem o  dai ikkyo ura waza, o dai sankyo ura waza fica mais fácil. 

- Uke e Tori encontram-se de pé, frente a frente, em ai hanmi. Ambos estão em hidari hanmi.

- Tori golpeia a cara do uke com o seu tegatana esquerdo, dá um passo para a frente, colocando o seu pé direito  diante do pé esquerdo do uke e agarra o cotovelo esquerdo do uke por debaixo, com a sua mão direita.

- Tori desequilibra o uke para baixo e para fora, em espiral.

- Tori coloca o seu braço direito a controlar o ombro e braço esquerdo do uke, ao mesmo tempo que agarra a mão esquerda do uke, com a sua mão direita. 

- Tori, mantendo ainda o desequilíbrio do uke com o seu braço, e depois de agarrar a mão do uke, agarra os seu dedos com a mão de fora (neste caso a esquerda).

- Tori baixa as ancas para ganhar poder e mais equilíbrio e torce, com ambas as mãos, a mão e pulso do uke contra o seu centro.

- O uke, com a dor, reage e salta para cima com dor.

- Tori aproveita a reação do uke e dá um passo para trás primeiro com o seu pé direito e depois com o esquerdo, trazendo o uke para baixo usando um movimento em espiral. A cadência é rápida: ichi/ni (um/dois).

- Tori senta o seu joelho esquerdo em frente à cabeça do uke impedindo-o de se movimentar para a frente.

- Tori comprime o braço do uke com a parte interior da sua perna direita, enquanto desliza a mão esquerda do agarro do cotovelo para cima.

- Tori substitui o agarro com a mão direita, pelo agarro com a mão esquerda, podendo assim aplicar a pressão sankyo, na imobilização final.

- Quando o braço estiver controlado contra o peito, tori pode baixar o seu joelho direito e colocá-lo contra a axila do uke. 

- Tori comprime ambos os joelhos, fechando-os, e assim ajuda a controlar ainda mais o uke.

- Ao mesmo tempo, tori `afunda-se´ , gira o seu corpo, e comprime-o na direção da cabeça do uke.

- Tori levanta-se ao contrário, mantendo o zanshin.

Repetir do outro lado.



Dicas:

- Quando o tori colocar o seu braço direito para controlar o braço esquerdo do uke, é importante fazer uma rotação do tronco e pressionar o braço do uke para fora, para desequilibrar o uke e assim conseguir tempo para agarrar a mão dele. Neste ponto, é importante não tentar agarrar demasiada mão do uke; um agarro simples, do seu tegatana, é o suficiente.

- Quando tori torcer a mão do uke, é importante não dar um passo para a frente.

- Quando tori der os passos para trás, deve controlar o cotovelo esquerdo do uke, com a sua mão esquerda.

- O dai sankyo omote waza é normalmente feito com um atemi. O dai sankyo ura waza, e porque é um movimento que vai para trás do uke, não precisa de atemi. 

- Porque o este sankyo é aplicado com ambas as mãos, não há necessidade de juntar a mão do uke ao nosso peito; aliás, aplicando dor através da torção com ambas as mãos, dá mais jeito afastar do nosso tronco.

- Se o uke tiver problemas de pulsos ou de dedos, convém avisar o seu parceiro.


Tori: Tristão da Cunha, 8º Dan
Uke: António Serra, 5º Dan
Filmagens: Rui Pessoa Pires


Não praticar sem a presença de um professor.
Todas as pessoas envolvidas nos nossos vídeos e livros técnicos, autorizaram por escrito a utilização das suas imagens.

quarta-feira, 21 de abril de 2021

Tachi waza shomen uchi dai sankyo omote

 Para se executar sankyo omote, é necessário saber o ikkyo omote bem. 

- Tori e uke encontram-se de pé, frente a frente, em hidari hanmi.

- Tori baixa as ancas ganhando impulso para avançar, ataca a cara do uke com o seu tegatana esquerdo, ao mesmo tempo que avança na diagonal para a esquerda, com o seu pé esquerdo, rapidamente seguido pelo direito atrás.

- Uke defende-se do ataque do tori, com a sua mão esquerda.

- Tori, além de atacar e de se deslocar para a frente, agarra de imediato o cotovelo do uke, por debaixo, empurrando-o para a esquerda.

- Tori agarra o pulso do uke e corta o seu braço para baixo, numa espiral para a esquerda.  Se necessário, tori ajusta o seu pé direito, para dar mais mobilidade às ancas, que roda de forma a que estejam paralelas ao braço do uke.

- Tori dá um passo por debaixo do corpo do uke, com a sua perna direita, e empurra também o uke para a frente e para baixo.

- Tori coloca a parte de baixo do seu ombro direito um pouco acima do ombro do uke.

- Tori roda o seu tronco para a esquerda de forma a desequilibrar um pouco o uke com a pressão exercida pelo ombro, para dar tempo para, com a sua mão direita, agarrar no cutelo e nos dedos da mão esquerda do uke.

- Tori coloca a mão do uke contra o seu peito.

- Tori dá um passo para a frente do uke com a perna esquerda e ao mesmo tempo aplica um atemi à cara dele com a sua mão esquerda. Ao fazer este movimento, tori torce a mão do uke contra o seu centro, provocando-lhe uma dor aguda.

- Se o uke se mover muito com a dor do sankyo, tori dá mais um pequeno passo com o pé esquerdo, para o seu centro (não se mostra aqui por causa da filmagem).

- Tori dá um passo para trás o pé direito e logo de seguida com o esquerdo.

- Tori, ao finalizar o passo para trás com o pé esquerdo, deve imediatamente baixar o seu joelho esquerdo e forçar o uke para baixo de forma a que o seu pescoço fique encaixado no joelho do tori.

- No final tori muda a mão que agarra o cotovelo para agarrar a mão do uke.

- Para mudar a mão, é bom que tori mantenha o joelho direito em cima fazendo pressão contra o braço do uke. Depois de mudar a mão, pode baixar o joelho e comprimi-lo contra a axila do uke.

- Tori, pressiona a mão do uke com a pressão sankyo, na direção da cabeça do uke e para baixo. A mão direita pressiona o cotovelo do uke contra o nosso corpo e também para baixo.

- Tori torce todo o tronco na direção da cabeça do uke.




Definição:

Sankyo: o terceiro princípio. Outro nome usado é kote hineri: torcer o pulso.



Dicas:

Saito sensei disse que quando o braço do uke é muito longo, devemos colocar a sua mão no nosso flanco de fora, impedindo assim que o uke baixe o seu cotovelo por cima do nosso ombro.

É importante manter sempre a pressão do sankyo durante toda a técnica, mesmo até depois de nos levantarmos.



Tori: Tristão da Cunha, 8º Dan
Uke: António Serra, 5º Dan
Filmagens: Rui Pessoa Pires


Não praticar sem a presença de um professor.
Todas as pessoas envolvidas nos nossos vídeos e livros técnicos, autorizaram por escrito a utilização das suas imagens.

sexta-feira, 9 de abril de 2021

ATEMI WAZA - HIZAGERI WAZA 2 Shomen uchi dai sankyo omote waza

 O estudo do atemi com os joelhos para sankyo omote requerer lembrar algo que Morihiro Saito Sensei sempre dizia: baixar bem as ancas. Aliás, no livro "Takemusu Aikido", volume I, sensei escreveu na página 58 (82 na versão portuguesa/espanhola): "Manter as ancas numa posição baixa, é importante em todas as técnicas do aikido."


Tori e uke encontram-se de pé, frente a frente, na posição de ai hanmi. Ambos encontram-se em hidari hanmi.

- Tori inicia o movimento atacando a cara do uke com o seu tegatana esquerdo.

- Uke defende com a sua mão esquerda.

- Tori executa todos os movimentos da técnica shomen uchi dai sankyo omote.

- Logo depois de tori aplicar o atemi à cara do uke com a sua mão esquerda, dá um pequeno passo para a frente do uke com o seu pé esquerdo e imediatamente dá um passo para trás com o pé direito, "cortando" o braço do uke para baixo, ao mesmo tempo de torce a sua mão esquerda com sankyo. Nesta altura, dobrar bem os joelhos de forma a que o uke, que se desequilibra para a frente e para baixo, bata com a cara no joelho esquerdo de tori.

A mestre Mónica Sousa a aplicar o atemi com o joelho
com a técnica de sankyo omote.



- Tori completa a técnica de Sankyo omote, dando um passo para trás e imobilizando o uke. 

- Repetir para o outro lado.



Dicas:

Ao aplicar sankyo omote, nunca esquecer de agarrar firmemente a mão do parceiro e mantê-la junto ao peito. As senhoras podem colocar a mão no costado, evitando assim contacto com o peito, assim como também é aconselhável fazer isto com pessoas com os braços muito compridos.

Ao "cortar" o braço para baixo, agarrar imediatamente o cotovelo do parceiro e torcê-lo de dentro para fora e para baixo. Só assim é que o parceiro será desequilibrado para a frente e para baixo.





Tori: Tristão da Cunha, 8º Dan
Uke: Gil Vargas, 3º Dan
Filmagens: Rui Pessoa Pires

Não praticar sem a presença de um professor.
Todas as pessoas envolvidas nos nossos vídeos e livros técnicos, autorizaram por escrito a utilização das suas imagens.

ATEMI WAZA - HIZAGERI WAZA 1 Shomen uchi dai nikyo ura

 Podemos aplicar atemi com os joelhos em muitas técnicas do aikido. A partir de agora iremos debruçar-nos sobre algumas destas técnicas escolhidas para estudos para os exames.

Tal como para empi uchi waza, o atemi com o joelho tem de ser executado com a perna bem dobrada. Caso a perna não esteja bem dobrada, poderemos magoar seriamente o joelho e também não haverá penetração do golpe. Então, para aplicar hizageri waza, dobrar a perna completamente, para que o joelho  esteja bem saliente. Se o movimento for feito, como neste caso, com a perna de trás, o poder das ancas será adicionado à pancada, tornando-a mais poderosa.

Tori e uke encontram-se em ai hanmi. Ambos estão com migi hanmi.

- Tal como Nikyo ura, antes estudado, tori ataca com shomen uchi e executa nikyo ura waza. 

- Depois de aplicar a pressão dolorosa ao pulso, "puxar" o uke, através da dor e de pressão exercida no seu pulso e antebraço, para o nosso centro.

- Encontrando-se o uke perto de nós com este movimento, aplicar rapidamente um atemi com o joelho direito à sua cara. 

A mestre Mónica Sousa a aplicar hizageri waza


- Terminar imediatamente com o controle do nikyo ura básico.

- Executar a mesma técnica no outro lado.

No livro, "Sistema Técnico de Kyu da Associação Portuguesa Aikishurendojo", podemos encontrar mais detalhes destas técnicas, executadas pela mestre Mónica Sousa, a partir da página 96.




Definições:

Hiza: joelho

Hizageri: joelhada

Keri: pontapé


Dicas:

Enquanto executamos o atemi, é muito importante não relaxar a pressão que estamos a exercer contra o seu pulso. 

Quando o aité receber a joelhada na cara, irá levantar a cabeça; aproveitar este movimento para dobrar o seu cotovelo com o tegatana esquerdo e rapidamente trazê-lo para baixo numa espiral, sem nunca largar a pressão do nikyo.

Todos os praticantes devem exercitar os seus pulsos antes de praticar este tipo de técnicas, de forma a diminuir o risco de lesões.




Tori: Tristão da Cunha, 8º Dan
Uke: Gil Vargas, 3º Dan
Filmagens: Rui Pessoa Pires


Não praticar sem a presença de um professor.
Todas as pessoas envolvidas nos nossos vídeos e livros técnicos, autorizaram por escrito a utilização das suas imagens


sexta-feira, 5 de março de 2021

terça-feira, 26 de janeiro de 2021

Atemi waza. Enpi uchi 4. Ushiro ryokata dori kokyu nage

 Tori e uke estão de pé. Ambos estão em ai hanmi, com hidari hanmi.

- Uke agarra ambos os ombros de tori, por detrás.

- Tori, mal sinta o agarro, baixa as ancas e aplica ushiro enpi uchi com o seu cotovelo direito.

- Tori dá um passo para a lateral esquerda, com o seu pé esquerdo e protege a cabeça com ambas as mãos.

- Tori baixa o ombro direito profundamente, enfia a cabeça por entre os braços do uke e dá um passo para trás, com o seu pé direito, mantendo sempre a mesma linha.

- Quando fizer este movimento, tori agarra a gola do uke com a sua mão esquerda.

- Tori dá um passo para trás com o pé esquerdo e coloca o joelho esquerdo no chão.

- Tori puxa a gola do parceiro e empurra o seu cotovelo esquerdo por debaixo, projectando-o.

- Tori mantém o zanshin.

- Repetir do outro lado.



Dicas:

Os agarros têm de ser bem feitos para se poder estudar a técnica de uma forma mais séria. Quando uke agarrar tori em ryokatadori, deve agarrar os ombros de lado, não por cima. Agarrar em cima dos ombros é considerado agarro ao pescoço e, também, não controla os braços do tori, permitindo um contra-ataque com os cotovelos ou mãos.

Ao aplicar ushiro enpi uchi, esticar o braço livre para a frente, para manter o balanço e esticar o corpo do parceiro um pouco para a sua frente, facilitando a aplicação do atemi.

Para poder passar a cabeça por entre os braços, é importante baixar muito bem o ombro; se não o fizer, a cabeça irá bater nos braços do uke e este poderá aplicar uma contratécnica.

Ao agarrar a gola, tori deve agarrar o lado direito da gola do uke, mas com o seu polegar para baixo. Ao projectar, este agarro será mais eficaz, pois não se soltará ao puxar.



Tori: Tristão da Cunha, 8º Dan
Uke: Gil Vargas, 3º Dan
Filmagens: Rui Pessoa Pires


Não praticar sem a presença de um professor.
Todas as pessoas envolvidas nos nossos vídeos e livros técnicos, autorizaram por escrito a utilização das suas imagens.

segunda-feira, 25 de janeiro de 2021

Atemi waza. Enpi uchi 3: Yokomenuchi kokyu nage [kaiten nage henka/oyo waza, soto mawari]

 Oyo waza significa técnica aplicada. Henka waza é a variação de uma técnica. Com este kata, estudamos oyo waza e henka waza do kaiten nage soto mawari.

Ataque com o tegatana,
ao pescoço do tori.


Tori e uke encontram-se de pé, frente a frente, em ai hanmi. Tori e uke estão ambos em hidari hanmi.

- Uke dá um passo para a frente com o pé direito, e ataca a parte lateral esquerda da cabeça do tori, com o seu tegatana direito.

Yokomen uchi à têmpura do tori.


- Tori, mal o uke se mova, avança com o seu pé esquerdo na diagonal para a esquerda.

- Tori cancela o ataque do uke, controlando o seu ataque com o braço esquerdo.

- Tori aplica age enpi uchi ao queixo do uke, com o seu cotovelo direito.

. Imediatamente depois do uke sofrer o ataque com o cotovelo, tori aproveita e agarra o pescoço com a mão direita e o seu pulso direito com a mão esquerda.

- Tori dá um passo para trás na diagonal com o pé direito e ajoelha o joelho direito.

- Tori projecta o uke com um sentimento de sutemi waza, puxando o pescoço do uke para o chão e empurrando o seu pulso por cima da sua cabeça. 

- Tori mantém o zanshin.

- Repetir do outro lado.


Significados:

Age: vem do verbo 'ageru' (lê-se 'agueru'), que significa, elevar (também dar, como oferecer comida)

Age enpi uchi: um ataque com o cotovelo, de baixo para cima.

Oyo: aplicação

Oyo waza: técnica aplicada (normalmente mais rigorosa).

Age enpi uchi







Dicas:

É muito importante mover-se contra o ataque yokomen do uke, mal este se mexa. Um atraso irá dificultar o cancelamento/bloqueamento do ataque do uke.

Ao avançar contra o ataque yokomenuchi do uke, é importante baixar bem as ancas para que, no momento do contacto, o corpo do tori esteja bem solido.

É importante saber a posição de contacto entre os dois braços. 

Contra atacantes mais altos, em vez de golpear o queixo do uke, podemos usar a mesma técnica para atacar o seu plexo solar.

Ainda que no kaiten nage normal se agarre o pulso do uke ao contrário, nesta versão, o pulso é agarrado 'naturalmente'.

Também, no kaiten nage normal agarra-se a cabeça o uke, mas aqui a variação exige que se agarre no pescoço com um "agarro-gancho".

Variação do enpi uchi, quando aplicado
ao plexo solar

Por favor estudar bem a forma de golpear con enpi uchi, para evitar que, numa situação real, se lasmite o cotovelo. Treinar sempre makiwara como forma de fortalecer os ataques e atemi.


Tori: Tristão da Cunha, 8º Dan
Uke: Gil Vargas, 3º Dan
Filmagens: Rui Pessoa Pires
Fotografias: Tristão da Cunha. Participaram: Gil Vargas e Jorge Feio

Não praticar sem a presença de um professor.
Todas as pessoas envolvidas nos nossos vídeos e livros técnicos, autorizaram por escrito a utilização das suas imagens.

quarta-feira, 20 de janeiro de 2021

Atemi waza - Enpi uchi 2 - Katate dori shiho nage omote

 A segunda forma a estudar de enpi uchi para os exames de kyu que contêm atemi waza, é katatedori shiho nage omote waza.

Uke e dori encontram-se de pé, frente a frente, em gyaku hanmi. Tori está em hidari hanmi e o uke em migi hanmi.

- Uke move-se na direção do tori e agarra o seu pulso esquerdo, com a mão direita.

- Tori, mal o uke agarre o seu pulso, abre os dedos da mão e enche-a de ki.

- Tori sai fora da linha de ataque com o seu pé esquerdo e depois ajusta o pé direito, colocando-se a 90º com o hanmi do uke.

- Tori aplica um atemi à cara do uke. Em Baixo: possibilidades de atemi waza










- Enquanto o uke defende a cara do atemi, com a sua mão esquerda, tori imediatamente agarra, firmemente, o pulso direito do uke por debaixo.
- Tori torce o pulso do uke colocando pressão no tsubo da base do polegar to uke, com o seu polegar direito.
- Tori dá um passo para a frente com o seu pé esquerdo, passando por debaixo do braço do uke.
- Uke resiste contra este movimento e tenta puxar o seu braço direito.
- Tori aplica yoko enpi uchi às costelas do uke (verificar o ultimo atemi waza publicado aqui).
- Tori, com a mão esquerda, agarra a parte de fora da mão direita do uke, torce-a e gira 180º para trás.
- Tori desequilibra o uke e projecta-o.
- Repetir do outro lado.

Dicas:
É importante o praticante estudar os pontos de pressão, tais como o tsubo da base do polegar. Além de estudar a sua localização, deve também estudar o angulo de pressão e quanta pressão é necessária aplicar para torná-la eficaz.
Há outros pontos de pressão que podem ser aplicados nas costas da mão do uke, com os 4 dedos restantes da mão.
Embora se pratique passo a passo, a rapidez da implementação das técnicas é essencial, principalmente contra adversários de maior estatura e força.

Definição:

Tsubo: ponto de pressão




Tori: Tristão da Cunha, 8º Dan
Uke: Gil Vargas, 3º Dan
Filmagens: Rui Pessoa Pires
Fotografias: Tristão da Cunha. Participaram: Gil Vargas e Jorge Feio

Não praticar sem a presença de um professor.
Todas as pessoas envolvidas nos nossos vídeos e livros técnicos, autorizaram por escrito a utilização das suas imagens.

terça-feira, 19 de janeiro de 2021

quinta-feira, 14 de janeiro de 2021

Atemi waza - Enpi uchi 1 - Katate dori kaiten nage uchi mawari

 Kaiten nage é uma técnica simples e interessante. Esta técnica pode ser praticada em suwari waza, em hanmihandachi waza e em tachi waza.

- Tori e uke estão de pé, frente a frente, em gyaku hanmi. Tori está em hidari hanmi e uke está em migi hanmi.

- Tori oferece o seu braço esquerdo e uke agarra o pulso esquerdo de tori, com a sua mão direita.

- Tori movimenta o seu corpo para a frente, para o lado esquerdo, com tsugi ashi, usando o seu pé esquerdo.

- Tori aplica um atemi [seikenzuki ou uraken] à cara do aité. Aité defende-se desviando o atemi para fora, com a mão esquerda.

- Tori dá um passo para a frente, com o seu pé direito, passando por debaixo do braço direito de aité.

- Tori aplica yoko enpi uchi às costelas de aité.



- Tori gira o seu corpo para traz, pelo lado esquerdo ficando em hidari hanmi.

- Tori dá um grande passo para trás na diagonal. Com este movimento, tori estica o braço de aité e imediatamente controla a sua cabeça empurrando-a para baixo.

- Tori dá um grande passo para a frente, por debaixo do aité, com a sua perna esquerda e projecta o uke.

- Repetir do outro lado.


Definições:
Enpi: um tipo de pá. Enpiuchi: cotovelada
Kaiten: rotação; virar
Seikenzuki: murro directo
Uraken: golpe com as costas da mão

Dicas:
Quando se avançar para o lado direito de aité, é importante, ao movimentar o seu braço para trás, manter a sua mão no mesmo nível até o desequilíbrio começar, só então, levantar o seu braço. Não fazer um movimento brusco, para que o  agarro de aité continue forte.
Ao rodar o corpo para trás, manter o seu agarro por cima da nossa cabeça, para assim se poder girar livremente por debaixo.
Depois de entrar e quando fizermos a rotação do corpo para trás, proteger o lado esquerdo da cabeça com a mão direita, pois nesta altura o aité pode desferir um ataque com o cotovelo.
Quando se controlar a cabeça do aité, pressioná-la para baixo e agarrar fortemente "enfiando os dedos no crânio".
Ao cair, é importante que o uke use yoko ukemi para evitar magoar-se.


Tori: Tristão da Cunha, 8º Dan
Uke: Gil Vargas, 3º Dan
Filmagens: Rui Pessoa Pires
Fotografias: Tristão da Cunha. Participaram: Gil Vargas e Jorge Feio

Não praticar sem a presença de um professor.
Todas as pessoas envolvidas nos nossos vídeos e livros técnicos, autorizaram por escrito a utilização das suas imagens.

segunda-feira, 4 de janeiro de 2021

Atemi waza. Tsuki waza/ te waza. Ushiro ryokata dori aiki otoshi/ashi otoshi

 A última técnica proposta neste conjunto de formas para treinar o tsuki waza é o Aiki Otoshi/Ashi Otoshi.

- Uke agarra ambos os ombros de tori por detrás, com a posição de migi hanmi. Tori também se encontra em migi hanmi, para um treino básico.

- Tori rapidamente olha para trás para discernir a posição do uke.

- Tori baixa as ancas e dá um passo com o seu pé direito para trás e para o lado direito, na diagonal, saindo fora da linha de ataque e desequilibrando o uke para a direita, assumindo a posição de kenkagoshi.

- Tori dá um passo para trás do uke com o seu pé esquerdo.

- Tori aplica um atemi com a mão direita ao pé direito do uke, usando "oniken" (conhecido no karate como "nakadaka ken").

Oniken ou nakadaka ken


 - Tori empurra as ancas contra as pernas do uke, agarra ambos os joelhos um   pouco por detrás pressionando-os um contra o outro.

- Tori empurra as suas ancas para a frente ao mesmo tempo que 'atira' os joelhos do uke para fora e um pouco para cima.

- Mal o uke caia, tori envolve o braço direito do uke com o seu braço esquerdo e aplica a pressão rokyo contra o cotovelo. 

- Quando o uke se torcer para fora com a dor do rokyo, tori imediatamente coloca o seu joelho direito em cima das ancas do uke (irá depender do tamanho do uke e do tori), para impedir uma joelhada ou pontapé.

Tetsui uchi
 - Tori aplica um atemi final ao plexo solar do tori, com tetsui uchi, com a intenção de quebrar o apendix xifoideu.





Dicionário:

Kenkagoshi: kenka= luta; goshi/koshi= ancas. Ancas de luta

Otoshi: deixar cair, cair

Tetsui uchi: tetsu: ferro; tetsui= 'martelada'; uchi= pancada

Dicas:

É importante que o agarro 'ryokata dori' do uke seja correcto ou a técnica deixa de ter sentido. Ambos os ombros devem ser agarrados de lado e pressionados um contra o outro, de forma a impedir que o tori mova os braços para trás ou para a frente.

Ao sair fora da linha de ataque, é importante que o tori enrole os braços à volta do seu corpo, assumindo a posição de "kenkagoshi".

Ao dar um passo para trás do uke, é importante que o tori baixe muito as ancas, dobrando os joelhos.

Ao aplicar atemi contra o pé direito do uke, é importante que o tori se proteja de uma joelhada colocando e pressionando o seu joelho contra a perna direita do uke.

O professor irá ensinar o local para aplicar o atemi, mas também podem experimentar com os parceiros durante o jyu keiko.

Saber conjugar o movimento das ancas com o movimento de 'atirar' os joelhos do uke é essencial.

É muito importante saber acabar a técnica correctamente e, por isso, devemos aprender a aplicar bem o rokyo.

É importante manter sempre controle completo do corpo do uke, de forma a que não possa haver um contra ataque.

O atemi final, ao apêndice xifoideu, irá utilizar o tetsui uchi para quebrar este osso. Ao quebrar-se, o osso irá perfurar o diafragma com a possibilidade de também perfurar o fígado, resultando numa hemorragia letal. 

A forma mais suave deste atemi - ao plexus solar - irá fazer com que o diafragma pare e que seja difícil respirar, o que fará com que o adversário pare o seu ataque. 

Se se sofrer acidentalmente um destes ataques, deveremos inspirar profundamente e descansar.


 Apêndice xifoideu Link aqui


Saito sensei aplicando aplicando atemi ao pé
com oniken. 
Traditional Aikido, Vol IV, pag 115



Tori: Tristão da Cunha, 8º Dan
Uke: Gil Vargas, 3º Dan
Filmagens: Rui Pessoa Pires
Fotografias: Tristão da Cunha. Participaram: Gil Vargas

Não praticar sem a presença de um professor.
Todas as pessoas envolvidas nos nossos vídeos e livros técnicos, autorizaram por escrito a utilização das suas imagens.